Tempo

  • Visite a Serra da Estrela. - No próximo fim de semana o tempo dá uma oportunidade para visitarem a Serra da Estrela ainda com neve. As temperaturas vão subir, os ventos vão ficar mais ...
    Há 19 horas

VIIIº Passeio TT Sameiro a Rodar - 2015


15 de Março 2015 -- VIII Passeio TT do Sameiro

PROGRAMA:
08:30 - Concentração / Inscrições
09:30 - Inicio da Rotta

  • - Abastecimento / Reforço
  • - Zona de Espectáculo (SkiParque)
  • - Almoço Convívio
  • - Entrega de Lembranças
Inscrição:
  • 25 Rodas (Inclui Seguro)
Inscrições e informações:

Manteigas quer ser vila "inteligente" e terra de "carbono zero"

 

O presidente da Câmara Municipal de Manteigas disse hoje à agência Lusa que tenciona aplicar o conceito de "Small Smart City" naquela vila da Serra da Estrela, tornando-a "inteligente" e uma terra de "carbono zero".

 

Transformar Manteigas em "vila pequena e inteligente", com as novas tecnologias a favor das pessoas e do território e fazer com que seja "um território de carbono zero" é o objetivo do projeto, segundo José Manuel Biscaia.

"Tudo que produzimos hoje em dia, com as técnicas de aquecimento e iluminação, são um atentado ao ambiente", disse.

Segundo o autarca, aquele concelho da Serra da Estrela, no distrito da Guarda, "é um exemplo em boas qualidades de produtos ambientais", como o ar e a água, e em matéria de energias renováveis.

"Todas as nossas condições ambientais vão dar origem a que utilizando pouco dinheiro possam ser feitos empreendimentos ao nível das energias renováveis e da qualidade de vida das pessoas, reduzindo gastos de energia e não invadindo a atmosfera com carbono", apontou.

José Manuel Biscaia referiu que o seu município tem "pessoas com mais de 65 anos em grande quantidade" e que é necessário criar condições para que possam continuar a viver nas próprias casas com recurso a equipamentos de teleassistência, entre outras medidas.

"Queremos requalificar as casas das pessoas à custa de incluir na recuperação as chamadas energias renováveis, mudando portas, mudando janelas, mudando a qualificação das paredes e dos telhados de modo a que as pessoas, aos 65 anos, aos 70 e aos 75 anos, possam estar em casa", explicou.

O conceito de Manteigas vila "inteligente", segundo o presidente da câmara, "começa por as energias serem bem aproveitadas e as pessoas bem tratadas".

O projeto também incluirá a substituição das luminárias dos espaços públicos por lâmpadas led, de baixo consumo, e a colocação de painéis solares nos equipamentos municipais.

O plano autárquico começará a ser posto em prática no edifício dos paços do concelho com a aplicação de medidas que permitirão reduzir a fatura da eletricidade, indicou.

O novo quadro comunitário europeu tem apoios específicos para energias renováveis e redução de CO2, aos quais a câmara de Manteigas tenciona apresentar uma candidatura, segundo José Manuel Biscaia.

O concelho de Manteigas é o mais pequeno do distrito da Guarda, com cerca de 3.700 habitantes, que estão dispersos pela sede e pelas freguesias rurais de Sameiro e de Vale de Amoreira.

Fonte: RTP

Estradas de Portugal diz que acesso a Serra da Estrela não é possível com neve

O presidente da empresa Estradas de Portugal (EP), António Ramalho, garantiu hoje que nem com mais meios seria possível permitir o acesso ao topo da Serra da Estrela nos dias em que aquela estrada está encerrada.

"Não é por fazermos uma fila de limpa-neves que conseguimos abrir a estrada para a torre", afirmou António Ramalho durante uma visita que realizou ao Centro de Limpeza de Neve (CLN), localizado nos Piornos.

A gestão daquela estrutura, que é gerida pela EP, foi recentemente alvo de críticas por parte dos autarcas da Covilhã e Seia, afirmações que António Ramalho classificou como "excessivas" e as quais atribuiu a um eventual desconhecimento do trabalho realizado.

Relativamente ao encerramento das estradas, designadamente do acesso ao maciço central, que é a questão que mais críticas tem suscitado, António Ramalho reiterou que a decisão cabe às forças de segurança, mas sublinhou que o parecer de encerramento do CLN tem sempre como base "a segurança das pessoas e bens".

Este responsável lembrou que a Serra da Estrela tem características próprias que aumentam as condições de risco, designadamente o facto de estar a menos de 100 quilómetros da costa atlântica (que contribui para que a neve se transforme rapidamente em gelo) ou de ser uma das poucas montanhas que tem uma estrada mesmo até ao cimo.

"São fatores que têm de ser equacionados e que ao analisarem-se as questões da segurança da via e da segurança das pessoas nos obrigam a ser particularmente cautelosos", reiterou, lembrando que 60% do tempo em que as estradas estão encerradas é de noite.

O presidente da EP também deu conhecimento de todo o protocolo e forma de funcionamento do CLN - de acordo com as prioridades estabelecidas nas diferentes cotas de altitude - e detalhou todos os meios técnicos e humanos ali existentes.

"Temos 17 colaboradores, com uma média de 14 anos de experiência, que estão distribuídos em duas equipas e que asseguram o trabalho 24 horas por dia, sete dias por semana", sublinhou.

Sem responder diretamente às afirmações dos autarcas, que entretanto já foram recebidos na EP, António Ramalho reiterou a "inteira disponibilidade" para colaborar e analisar todas as questões.

O presidente da empresa lembrou, todavia, que o CLN se rege pelo princípio de "aceitar sempre sugestões de quem já fez melhor e não sugestões de quem saiba mais".

Sobre a eventual transferência de gestão a alçada municipal, que chegou a ser assumida como uma possibilidade pelos autarcas, António Ramalho repetiu a ideia de que EP está "aberta a todas as soluções", mas considerou que "o assunto não está sobre a mesa".

"O que nós recebemos [por parte dos autarcas] foi sobretudo muitas intenções de parceria, de envolvimento connosco e de tentativa de colaborar na melhoria continua que reconhecidamente é um serviço positivo", fundamentou.

Uma colaboração para a qual até já existe nova reunião marcada, a realizar até final do mês, segundo informou.

 Fonte: Sic Noticias

Estradas de Portugal afasta construção de túneis na Serra da Estrela

O presidente da Estradas de Portugal (EP), António Ramalho, negou a intenção de construir, pelo menos nos próximos cinco anos, os túneis na Serra da Estrela reivindicados pelos autarcas da região.

 
“Só em investimento estávamos a falar de mil milhões de euros e, eu acho, que em Portugal temos outras prioridades”, afirmou António Ramalho, quando confrontado pelos jornalistas com a reivindicação antigo dos autarcas da região, em declarações à margem de uma visita que fez ao Centro de Limpeza de Neve, localizado nos Piornos, exatamente na Serra da Estrela.

Questionado pela agência Lusa sobre esta reivindicação, o presidente da EP respondeu que a obra não está contemplada plano de investimentos daquela empresa pública.

“No quadro do plano a cinco anos, que está aprovado e divulgado, não está esse tipo de investimento e, portanto, isso significa que, basicamente, não devemos estar a pensar no investimento que não vamos realizar”, especificou.

António Ramalho lembrou ainda que a questão foi estudada “na devida altura” e no “quadro das parcerias público-privadas”, que entretanto acabaram por não se concretizar.

O presidente da EP referiu que “esta é uma situação que vai manter-se, até porque, neste momento, a prioridade de Portugal está centrada no reforço do “investimento ferroviário de acesso aos portos e não nos investimentos rodoviários.

A construção destes túneis é há muito reivindicada na Beira Interior e não está relacionada com o pedido de outras soluções para o acesso ao maciço central, mas sim com o atravessamento desta montanha através de túneis que ligariam duas encostas, designadamente entre os concelhos da Covilhã (distrito de Castelo Branco) e de Seia e Gouveia (distrito da Guarda)

 Fonte: Beira.pt

Manteigas apoia com 10 mil euros novos postos de trabalho

 Câmara vai lançar programa de fixação de micro, pequenas e médias empresas por jovens empresários que inclui também subsídios de residência.

A Câmara de Manteigas vai atribuir um apoio de 10 mil euros às novas empresas que optem por se instalar no concelho por cada posto de trabalho criado com funcionários com menos de 30 anos. A medida destina-se a contrariar «o esvaziamento populacional» do município serrano e a fixar jovens quadros qualificados, afirma José Manuel Biscaia.

O presidente da autarquia refere que o programa de fixação de micro, pequenas e médias empresas deverá ser discutido brevemente pelo executivo municipal e adianta que se destina especificamente a jovens empresários com idades entre os 30 e 35 anos, até a um máximo de 15. Também o tipo de negócios a apoiar está balizado, sendo que o objetivo é cativar empresas ligadas à investigação, inovação, novas tecnologias e vocacionadas para a exportação. «É um subsídio que será atribuído ao quarto ano de atividade, com efeitos retroativos, até a um máximo de 15 trabalhadores e desde que os empregos criados perdurem durante cinco anos», especifica José Manuel Biscaia. Estas empresas beneficiarão ainda de um valor mínimo de IMI e não pagarão taxas municipais. Já os seus funcionários terão direito a um subsídio de residência para ajudar no pagamento das rendas de casa.

O presidente do município estima que este programa possa mobilizar «cerca de dois milhões de euros» do orçamento da Câmara e que, em consequência, vai «limitar os seus recursos financeiros» nos próximos anos. «Mas é dinheiro que vale a pena aplicar nesta medida», sustenta José Manuel Biscaia, para quem «o desemprego jovem em Manteigas e no país é aflitivo». Nesse sentido, o programa de fixação de micro, pequenas e médias empresas destina-se a todos os interessados e não apenas aos manteiguenses. «Já temos apoios para fixação de empresas, que surtiram algum efeito e levaram à criação de novos negócios na antiga Sotave, mas esta é uma última oportunidade para os jovens empresários», declara.

O edil afirma que Manteigas tem assistido a «um autêntico descalabro demográfico», pois só no ano passado morreram cerca de 30 pessoas e houve apenas quatro nascimentos. «Estes números numa comunidade com pouco mais de 3.000 habitantes, a maior parte dos quais com 65 e mais anos, são uma tragédia», alerta o autarca, que espera que o executivo aprove este programa. Quanto ao êxito da medida, José Manuel Biscaia diz-se otimista porque «na região não há falta de “know-how” e de potenciais candidatos», aludindo aos licenciados na UBI e no IPG. Contudo, reconhece que «o nosso ensino está formatado para formar funcionários e não empresários, pelo que é preciso mudar para se ensinar o empreendedorismo», defende.

Fonte: Beira.pt

Museu virtual capta visitantes para o concelho de Manteigas




A Activa Associação de Artes e Património de Manteigas criou um museu virtual para divulgar “online” as potencialidades patrimoniais daquele município e atrair novos visitantes, disse à agência Lusa o presidente de direção.

Segundo Renato Alves, o Museu Virtual de Manteigas, acessível na internet em www.museu.cm-manteigas.pt, surgiu por naquele concelho da região da Serra da Estrela, no distrito da Guarda, não existir um museu físico.

“A ideia não é afastar o turista de Manteigas. A ideia é as pessoas consultarem as potencialidades patrimoniais de Manteigas a partir do sofá de sua casa e depois sentirem-se motivadas e perceberem o chamamento para visitarem a nossa região, que é riquíssima”, explicou o presidente da Activa.

O responsável considera que após consulta, em casa, dos interesses do património concelhio, as pessoas irão visitar “in loco” o município de Manteigas.

Na página criada na internet estão representadas as potencialidades patrimoniais do concelho, desde o natural (fauna e flora) até ao património arquitetónico e artístico.

“Tentámos diversificar ao máximo para estar lá bem explanado quais são as potencialidades do ponto de vista do património que o concelho tem, começando no natural e acabando no artístico”, justificou Renato Alves.

Economia local (agricultura, pastorícia e aquacultura), património arqueológico, cultural, edificado, industrial e natural são as temáticas que estão acessíveis aos visitantes do novo museu virtual que foi concebido pela Activa.

O presidente da associação adiantou ainda à Lusa que o projeto servirá de base para a criação de um museu físico em Manteigas.

“Quem pensar fazer o edifício de um museu de raiz tinha que fazer este trabalho”, disse.

Com o projeto ‘online’ “só tem que pegar” no trabalho já executado, aprofundá-lo e “construir o edifício”, acrescentou.

De acordo com o responsável, algumas pessoas que deixaram catalogar as peças para o museu virtual mostraram “logo interesse” em disponibilizá-las para o futuro espaço físico.

A Activa – Associação de Artes e Património de Manteigas surgiu para dinamizar a vertente cultural e artística naquele concelho.

A coletividade desenvolve atividades de pintura, património, teatro, música e literatura e promove o debate de ideias no âmbito do património artístico, histórico, cultural e antropológico.


Fonte:  As Beiras.pt

12 Kms Manteigas-Penhas Douradas -- XXXIII edição


Para mais informações consulte a página oficial da prova em:
http://www.12kmspenhasdouradas.cm-manteigas.pt

O Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Manteigas em colaboração com a Câmara Municipal de Manteigas, organiza há mais de três décadas a Corrida de Montanha denominada “12 Kms Manteigas-Penhas Douradas”.

Esta prova, conhecida por ser a melhor e mais antiga Corrida de Montanha realizada em Portugal, tem como cenário a Vila de Manteigas em simbiose com a Serra da Estrela.

A corrida faz parte do Troféu Spiridon e ainda do Circuito Nacional de Montanha.

A prova é composta por três categorias: BTT, caminhada e corrida, todas com partidas e chegadas comuns. O início da prova é em frente ao edifício da Câmara Municipal de Manteigas e a meta está localizada nas Penhas Douradas a 1500 m de altitude.

Os atletas participantes são oriundos de vários pontos do país e também do estrangeiro, divididos pelos respectivos escalões: Elites, Veteranos de I a V e ainda o escalão feminino. Em termos da prova de BTT existe apenas o escalão feminino e masculino. No que diz respeito á caminhada é uma prova aberta a todas as idades, sem fins competitivos. Este evento, normalmente, tem a cobertura jornalística de vários órgãos de informação de nível regional e nacional.

Tem aproximadamente cerca de oitocentos participantes.

A XXXIII edição da Corrida 12 Kms Manteigas-Penhas Douradas – 2015, vai ter lugar no próximo dia 8 de Março (Dia Internacional da Mulher) e, assim sendo, foi realizada uma parceria com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) no sentido de dar uma nova dinâmica ao evento e ao mesmo tempo apoiar a APAV na luta contra a violência e no apoio à vítima, designadamente, nas ações contra a Violência Doméstica.

Neste sentido, a XXXIII Edição dos 12 Kms Manteigas terá a seguinte designação:
XXXIII Edição 12 Kms Manteigas-Penhas DouradasCorrida Solidária com a APAV – Associação Portuguesa Contra a Vítima
A APAV receberá por cada participante na corrida (BTT, caminhada e atletas) 1 euro.

Para mais informações consulte a página oficial da prova em:
http://www.12kmspenhasdouradas.cm-manteigas.pt

Fonte:  CM.Manteigas

Torre é o sítio mais desqualificado da Serra






Autarca de Manteigas diz que turismo na Serra é muito mais que o ponto mais alto

O autarca de Manteigas, José Manuel Biscaia, mostrou-se esta semana desagradado com a forma como tema da neve na Serra da Estrela tem sido tratado nas últimas semanas.

José Manuel Biscaia lembra que a Estrela “tem outros encantos, que não a neve” e que os turistas deveriam era visitar locais como Manteigas, Belmonte, Gouveia ou Covilhã, em vez de centrarem atenções na Torre. “A Serra não é só a Torre, o sítio mais desqualificado. Que por isso mesmo nem se pode constituir como um emblema da Serra”. O autarca lamentou que o responsável do Turismo do Centro, Pedro Machado, em recentes declarações, se tenha “esquecido” de Manteigas como porta de entrada na Serra e até se mostrou contra a limpeza da neve nas estradas, e o investimento feito nalguns locais do Maciço Central. “Vejam os custos, de milhares de euros, que existem em ter, por exemplo, uma equipa de montanha da GNR” disse.

Fonte: Noticias da Covilha

Neve na Serra da Estrela obriga ao fecho de estradas

Mantêm-se encerradas as estradas que dão acesso à torre, na Serra da Estrela.
As restantes vias abriram ao início da manhã de quarta-feira, mas a vila de Manteigas esteve isolada do maciço central da Serra.


Fonte: RTP Noticias
 

Município de Manteigas assinala “Semana da Internet Mais Segura”


No dia 10 de fevereiro  comemora-se, a nível mundial, o Dia da Internet Mais Segura, sob o lema «Juntos vamos criar uma Internet melhor». Para que esse dia seja assinalado, o Município de Manteigas decidiu levar a efeito um conjunto de atividades.
A ação consiste num conjunto de iniciativas, a decorrer no Espaço Internet de Manteigas, designadamente, visitas de escolas, disponibilização de conteúdos interativos, apresentações, jogos, distribuição de panfletos, debates e uma sessão pública de esclarecimento, direcionada para pais, encarregados de educação e público em geral.
Os utentes, visitantes e população estudantil poderão recolher no local informação sobre um correto uso dos novos canais de comunicação na internet (correio eletrónico, programas de mensagens instantâneas ou redes sociais), receber conselhos de modo a reconhecer e prevenir os perigos de uma utilização indevida e esclarecimento de dúvidas.
Para mais informações poderá aceder: http://internetmaisseguramanteigas.blogspot.pt

Fonte:  Beira.pt

Turismo do Centro quer acesso alternativo à Torre da Serra da Estrela

A Entidade Regional de Turismo do Centro defende uma "nova solução" para permitir o acesso permanente ao Maciço Central da Serra da Estrela, ponderando o impacto ambiental e os custos da obra.

 No inverno milhares de pessoas são impedidas de chegar às zonas mais altas sempre que há fortes nevões.

“Como está, não pode continuar”, disse à agência Lusa o presidente da Turismo do Centro, Pedro Machado, ao preconizar uma ligação alternativa à Torre que possibilite a fruição das belezas naturais “365 por ano”, mesmo quando a neve bloqueia as estradas.
Para Pedro Machado, importa assegurar “um desenvolvimento sustentado” da região, o que obriga a que sejam “estudadas diferentes modalidades” de acesso ao ponto mais elevado desta montanha da região Centro, a mais alta de Portugal Continental, com 1.993 metros.
Sem se comprometer com qualquer solução, preconizou uma avaliação do impacto ambiental, dos custos financeiros e das vantagens económicas de cada uma das opções possíveis: construção de uma nova ligação rodoviária, implantação de um funicular ou de um teleférico (telecabine).
“Não podemos é cair em situações radicais”, que causem “prejuízos graves” ao equilíbrio ambiental do Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE), disse Pedro Machado, rejeitando também “que se mantenha o problema e não se faça nada”.
No inverno, milhares de pessoas são impedidas de chegar às zonas mais altas, durante dias ou semanas, sempre que a serra é fustigada por fortes nevões.
“Todos reconhecemos a Serra da Estrela como um destino de referência nacional ou mesmo internacional, em particular para o turismo ativo e de natureza”, salientou o presidente da Turismo do Centro.
Trata-se de uma zona de paisagem integrada no PNSE, a maior área protegida de Portugal, criada em 1976.
Com o “episódio sazonal da neve”, a Serra da Estrela permite as atividades turísticas de janeiro a dezembro, o que, na sua opinião, exige uma alternativa de mobilidade entre o exterior e o Maciço Central.
As “restrições que condicionam” a mobilidade dos visitantes a esse “espaço único” e a sua “fruição nos 365 dias do ano” devem ser resolvidas, através de um processo que envolva os municípios, o PNSE, o Ministério do Ambiente e as empresas “que beneficiam desta época alta” associada à neve.
“Temos aqui quase duas épocas altas, no inverno e no verão”, frisou Pedro Machado.
A Serra da Estrela estende-se por uma área de quase 75 mil hectares, maioritariamente no distrito da Guarda (85%) e um pouco no distrito de Castelo Branco (15%), abrangendo seis municípios: Guarda, Manteigas, Gouveia, Seia, Celorico da Beira e Covilhã.

 Fonte: Observador.pt

Estradas

Informação da responsabilidade das Estradas de Portugal.
Caso estas informações não estejam actualizadas, consulte o site: www.estradas.pt